A Nutricionista

Carolina Baccei

Bacharel em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo; Especialista em Nutrição Clínica Funcional pela VP consultoria; Formação em Auriculoterapia pela Humaniversidade e Prestadora de Serviços para Rede Record no programa A Fazenda (1ª/2ªe 3ªtemporada)

[ +mais ]

4 maio 2011

Artigo Especial para os Dia das Mães: Nutrição para a Mãe e Bebê

Os benefícios da amamentação, já estão cientificamente comprovados! A adequada composição nutricional do leite materno torna este alimento ideal para o crescimento, desenvolvimento e sobrevivência do bebê e diminui o índice de mortalidade infantil. Os benefícios para a mulher que amamenta incluem retorno ao peso pré-gestacional mais precocemente e o menor sangramento uterino pós-parto, devido à involução uterina mais rápida provocada pela maior liberação de ocitocina, que é estimulada pela sucção precoce do bebê. Alguns estudos investigam ainda a comprovação da diminuição de risco de câncer, principalmente de mama. As necessidades nutricionais durante a amamentação são maiores do que na gestação, pois é a fase do período reprodutivo de maior demanda energética, onde o bebê dobra seu peso quatro meses após o nascimento. O aumento do gasto energético está relacionado ao custo adicional necessário para a síntese e secreção do leite materno. Durante o período de amamentação, a mãe tem suas necessidades energéticas aumentadas em cerca de 500 Kcal/dia para os primeiros 6 meses de lactação e de 400 kcal/dia nos meses seguintes.
A restrição energética não é recomendada durante a gravidez, nem no caso de mulheres obesas. Durante a lactação, algumas pesquisas indicam que o consumo deve ser no mínimo de 1800 Kcal/dia e advertem sobre o risco da prática de dietas com valor energético inferior a 1500 Kcal. Mas isto vai depender de cada mulher, por isso a necessidades de uma avaliação individualizada!
Os nutrientes mais críticos, em caso de baixa ingestão alimentar, são as vitaminas A, B1, B2, B6 e B12, uma vez que o consumo ou estoques maternos baixos afetam mais adversamente o bebê. Além disso, as reservas desses nutrientes no bebê são frequentemente baixas e rapidamente perdidas, tornando-as dependente do conteúdo do leite materno. O efeito da baixa ingestão de cálcio é a longo prazo na densidade óssea materna e não altera a concentração de cálcio no leite materno.
Após o parto, quando o organismo da mulher está preparado para lactar, nem sempre ela consome a quantidade necessária de calorias para produzir o leite materno. Se estiver amamentando, o organismo irá retirar a reserva acumulada durante a gestação e da alimentação atual da mulher para fabricar o leite materno. A baixa ingestão alimentar pode gerar deficiências nutricionais na mãe e no bebê, provocar crescimento e desenvolvimento deficitário do bebê, com consequente desenvolvimento de doenças em ambos.
Espera-se que as mulheres lactantes em amamentação exclusiva percam de 0,6 Kg a 0,8 Kg/ mês para os quatro a seis primeiros meses de lactação. Essa perda pode chegar a 500 g por semana e não interferir no crescimento do bebê. Valores superiores entre 2,0 kg a 3,0 kg/mês são considerados excessivos para as mulheres com peso dentro da faixa considerada saudável. Essa perda pode ser influenciada pela quantidade de ingestão calórica e pela prática ou não de atividade física.
Podemos citar algumas orientações gerais para nutriz:
– Fazer uma alimentação fracionada em 6 vezes/dia, para garantir níveis glicêmicos constantes e nutrientes;
– Ingerir de 3 a 4 litros de água/dia;
– Aumentar a ingestão de verduras, legumes e frutas;
– Consumir alimentos fonte de ferro (carne e vegetais folhosos verde-escuro), alimentos fonte de cálcio (sardinha, salmão, brócolis, couve, semente de gergelim, amêndoa), e fonte de ácido fólico (peixes, brócolis, tomate, acelga, couve, rúcula);
– Consumir cereais integrais;
– Não consumir bebidas alcoólicas, nem fumar;
– Evitar o consumo de alimentos estimulantes, como café e alguns tipos de chá;
– Não consumir adoçantes
Lembre-se sempre: O momento da gestação e lactação deve ser prazeroso!

6 já comentaram!

  1. Anonymous disse:

    6 de maio de 11 às 14:42

    dra. carol, parabens,

    sensacional sua matéria, vai me ajudar muito

    obrigado mais uma vez

    beijos
    Cecilia

    Responder
  2. Anonymous disse:

    6 de maio de 11 às 14:43

    bom dia nutriiiiii,

    ate me animei com esse texto, muito legal e importante mesmo

    preciso marcar minha consulta desses mês de maio

    beijos
    Roberta

    Responder
  3. Anonymous disse:

    6 de maio de 11 às 14:45

    excelente matéria

    posso seguir seu blog?

    Maria Helena

    Responder
  4. Dra.Carolina Baccei disse:

    11 de maio de 11 às 13:17

    Claro, Maria Helena!

    Seja muito bem vinda!

    Responder
  5. Dra.Carolina Baccei disse:

    11 de maio de 11 às 13:19

    Olá, Roberta

    Espero você ligar para agendarmos!

    Beijos e boa semana

    Responder
  6. Dra.Carolina Baccei disse:

    11 de maio de 11 às 13:20

    Olá Cecilia

    Obrigada por nos acompanhar no blog!

    beijos

    Responder

Deixe seu comentário

*
*

Seu email nunca será publicado ou compartilhado. Campos obrigatórios marcados com *

Últimos posts